MAIORIAS SILENCIOSAS

Os silenciosos são sempre a maioria e depois há sempre quem tenha o dom especial de interpretação para representar essa maioria silenciosa e outros que têm uma espécie de dons de sacerdócio que os habilita a dar os sacramentos da liderança aos que gostando de fazer ruído representam os que gostam de ficar em silêncio.

O estranho é que sejam os líderes dos grupos ruidosos a terem vocação para em democracia representar os que alguns contabilizaram ou entenderam conveniente contabilizar como maiorias silenciosa.


Estas supostas maiorias são sempre silenciosas e apartidárias

Mas vale a pena recordar o recuado ano de 1974, no dia 28 de setembro a direita spinolista, que abrigava setores ligados à extrema-direita. A tentativa dos spinolistas de inverter os acontecimentos, num tempo em que apenas se falava em democracia e acabar com a guerra colonial pois o verão quente de 1975 ainda vinha longe.

Curiosamente Vila Real de Santo António foi um ponto quente nessa data, depois da célebre corrida de touros no Campo Pequeno e com o golpe falhado os responsáveis pela tentativa de golpe iniciaram a fuga. As estradas foram invadidas de barricadas dos que tentavam chegar à fronteira para conseguirem a proteção do franquismo.


 Naturalmente, VRSA estava no centro das atenções pela sua localização geográfica, constou mesmo que o Major Sanches Osório iria tentar atravessar o Guadiana, algures para os lados de Almada de Ouro. A esquerda, da extrema-esquerda ao sociais-democratas do PS do marinheiro, reuniu-se e a partir da Praça Marquês de Pombal muita gente foi para as aldeias junto ao rio.

Nesse tempo, talvez porque ainda não se tinham realizado eleições democráticas havia maiorias silenciosas e os democratas lutavam contra elas. Aqui fica uma pequena homenagem ao Epifânio, um democrata dos mais ativos nessa noite fria de 1974.

Se tivesse sido o saudoso Baptista Bastos a elaborar este posto terminaria com a pergunta"onde estavas no dia 28 de Setembro?"

Em tempo...




Ainda que mal pergunte, o que é que no post dedicado à Maioria Silenciosa foi escrito a pensar no Senhor António Cabrita? Confessamos que nada ali foi escrito a pensar em tal pessoa pelo que se quiser escrever um dicionário de calão local todos agradecemos, não nos parece ter importãncia política que sugira debates sérios.

Mas pode haver algum primo ou quem quer que seja ofendido, o homem pode ser primo afastado do major ou do general, sócio do Campo Pequeno, enfim, pode ter sido escrito algo que de alguma forma o ofendeu. Não nos passou pelam cabeça que um post sobre a Maioria Silenciosa pudesse ofender um Social-Democrata que, como se sabe, é uma corrente de pensamento da esquerda, pelo menos é assim que consta na Wikipédia... 

De qualquer das formas se algo do que foi escrito pode ser entendido como dirigido à pessoa, ao seu estatuto jurídico, à sua liderança local ou aos seus valores ideológicos, isso aqui fica o pedido de desculpas.