O ANONIMATO TEM AS COSTAS LARGAS



Sempre que a crítica é anónima o esquema é sempre o mesmo, em vez de se responder à crítica ataca-se o anonimato, em todo este debate é fácil de ver quem recorre à ofensa, à mentira e à linguagem de baixo nível. Mas porque não se citam as supostas ofensas ou mentiras ditas? Porque não se contrapõem argumentos.

Sejamos claros:

  • uma obra como a da EN125 não não se decide num dia, mesmo que se trate de uma intervenção temporária. Não se colocam outdoors numa semana e duas ou três semanas aparece o dinheiro e os bulldozers.
  • Não é justo fazer apreciações sobre a qualidade da obra quando esta está a meio e sabendo-se que é uma reparação provisória.
  • Exigir uma obra quando a mesma está decidida é a mesma coisa que oferecer favas depois do almoço. Pode ter parecido uma grande vitória, os passeio foram divertidos, mas a verdade é que muito provavelmente tudo aconteceria nos mesmos prazos.

Quanto aos seus comentários dir-se-ia que pela boca morre o peixe, o teclado fugiu para a verdade:

- O Movimento é totalmente apartidário e não convidou nenhum autarca a juntar-se a ele: a iniciativa partiu de dois dos quatro autarcas entre VRSA e Olhão;»

No que ficamos, o movimento é apartidário ou partiu de dois ou três autarcas entre VRSA e Olhão? Que se saiba entre Olhão e VRSA (o único concelho que pagou os outdoors) não há nenhum autarca que não seja militante partidário!

É bom que falar apenas verdade, ainda que aquele parágrafo possa parecer uma mentira com o rabo de fora. Mas se é de verdade que falamos teremos de recuar e sugiro ao membro da suposta Comissão de Utentes que reccue no tempo e questione a autarquia de Vila Real de Santo António sobre se:

  • No passado questionou o o XX ou o XXI primeiros governos sobre a necessidade das obras.
  • Nunca recebeu qualquer resposta ou esclarecimento sobre o andamento dos processos.
  • Sabia que os governos estavam impedidos juridicamente de fazer as obras porque em termos legais a estrada não era propriedade do Estado.
  • Depois de desbloqueada a situação jurídica a autarquia foi informada sobre o andamento dos processos relativos à intervenção de urgência e à intervenção de fundo.
  • Se a autarquia nunca foi informada do timing ou da proximidade do início das obras.

Como o representante da comissão está mais perto da autarca e tem o poder da representação dos utentes é certo que a autarquia irá prestar todos os esclarecimentos e então poderemos discutir a verdade e os méritos de todos. Depois de conhecermos estas respostas estaremos em condições de falar sobre verdade e honestidade.