TEMOS PENA



"Tenho pena mesmo muita pena do meu concelho estar cheio de cobardes"
Conceição Cabrita

Pois é Exma. Senhora Presidente, também nós temos pena, temos muito mesmo muita pena e não nos faltam motivos para issoas:
  • Temos, desde logo, muita pena de que o computador da Senhora Presidente ter ficado sem a tecla das virgulas.
  • Temos pena de que numa terra sem dinheiro, a autarquia gaste dinheiro em outdoors, exigindo obras que já estão decididas e agendadas, mas se esqueça de reparar os mosaicos da sua principal artéria, durante muitos anos um motivo de orgulho para a vila ou de prestar mais atenção às estradas municipais cuja existência e estado parece desconhecer.
  • Temos pena que de entre os funcionários camarários só os que simpatizam com o partido da Senhora Presidente se sintam com coragem de ver o nome em lista de candidaturas autárquicas.
  • Temos pena de que uma terra com grandes tradições democráticas, onde muitos deram exemplos de luta pela democracia, seja agora uma terra cabisbaixa, de silêncios e medos, onde a democracia parece existir apenas do lado do poder e dos que simpatizam com ele.
  • Temos pena de que uma terra com indústria e comércio florescente, nos últimos anos tenha entrado em decadência e veja o seu futuro comprometido por uma dívida brutal.
  • Temos pena de ver o nosso concelho no pódio dos rankings dos que mais devem ou dos que pagam mais tardiamente, com prazos absurdos e inaceitáveis.
  • Temos pena de ver uma autárquica esquecer-se dos princípios e quebrar a lealdade devidas aos órgãos do Estado, pagando campanhas duvidosas e manhosas contra um governo, só porque esse governo não é do seu partido.
  • Temos pena (e muita vergonha) de ver novamente bairros de lata em Vila Real de Santo António.
  • Temos pena de ver uma democracia diminuída com práticas como a transferência duvidosa de responsáveis partidários da oposição para o partido do poder, onde parece serem premiados.
  • Temos pena de ver deputados municipais comportarem-se de tal maneira que têm de ser os cidadãos a darem-lhe as lições de educação que deviam ter recebido no ensino básico. E nem vale a pena falar da linguagem vernácula que usam nas redes sociais.
  • Temos pena que numa terra onde a autarquia gasta centenas de milhares de euros com um escritório de advogados venha depois com a fanfarronice de ter matado a fome aos vila-realenses.
  • Temos pena que a sua equipa autárquica, mesmo com uma autarquia falida, tenha gasto mais de cem mil euros a anunciar que ia construir uma espécie de Dubai á beira do Guadiana, só para que gente incompetente pudesse aparecer na fotografia.


Mas nem tudo é mau, também temos muito orgulho, mas mesmo muito orgulho nos vila-realenses, ainda que a senhora não esteja incluída neste grupo:
  • Temos orgulho naqueles que sem esquemas partidários e sem cunhas, apenas com o seu mérito e valor, ascendem aos mais altos cargos do Estado.
  • Temos orgulho nos vila-realenses que em Portugal e no estrangeiro se têm destacado nos mais variados domínios.
  • Temos orgulho naqueles que em momentos de dificuldades precisaram da ajuda financiada com a ajuda do Estado, em vez de terem optado pela marginalidade e que agora são vexados por quem diz que matou a fome a tanta gente. Que pena que quando tinha de matar a fome a vila-realenses vítimas da política de um governo não tenha sentido necessidade de colocar outdoors na estrada.
  • Temos orgulho nos democratas de Vila Real de Santo António que deram a maioria dos votos aos que se opõem ao seu reinado. Mas também temos orgulho naqueles que livremente e sem terem de pagar favores votaram na sua candidatura, porque temos orgulho na democracia.