VÃO MAS É APANHAR GAMBUZINOS




O que deve fazer um comerciante  junto de cujo restaurante a autarquia permitiu que se formasse uma lixeira? O que deve fazer uma família que viu crescer uma lixeira à porta, entrando-lhe o mau cheiro pela janela, receando pela saúde dos filhos? Deve denunciar ou ficar calada a bem da imagem dos autarcas, porque a sua boa imagem é, nestas circunstâncias, a imagem da terra? Devem fazer uso da liberdade de expressão ou recorrer à autocensura com medo de represálias do poder?

No passado era proibido andar descalço na Avenida, não fazia mal existir um bairro da lata, passar fome ou andar descalço, os filhos do relojoeiro podiam andar nus na Rua da Princesa em pleno inverno, mas ir para a avenida no mês de Agosto nem pensar, não tardaria muito a aparecer o Sabino ou outros dos durões da PSP.

Depois dos muitos ataques à oposição surgiu mais um, denunciar lixeiras no meio de Monte Gordo é um atentado á cidade, como se toda a cidade tivesse de fazer um sorriso em nome das boas receitas do Sem Espinhas ou do Grand beach Club. E nome dos seus lucros devemos dizer que é uma maravilha a destruição das dunas pelo novo bar na Praia dos Três Pauzinhos, devemos dizer que adoramos o lixo nas ruas pelo seu cheiro a alfazema, que é uma maravilha matar a fome com as sopas da São e que o bairro da lata junto ao Lazareto são casas com uma maravilhosa vista para o rio.

Em nome do regime e da boa imagem pública dos distintos Cabritas devemos apanhar porrada do cunha e ficar calados, suportar o mau cheiro, ter de ver a sucata na rua, suportar as seringas no chão, porque qualquer crítica ao regime pode prejudicar o bom nome da cidade. Não faz mal a saúde pública ser posta em causa, mas se for para inventar uma guerra entre dois autarcas do PSD e o governo já não importa que se desprezem os interesses da região e se promova o medo.

Notícias em todas as televisões alertando para a perigosidade da EN125 é uma grande conquista da cidade e uma manifestação de cidadania, mas protestar porque temos uma lixeira à porta de casa já não convém, porque a imagem da São é a imagem da região. Se os autarcas querem ter boa imagem então que trabalhem e sejam competentes, que gastem as energias a defender os interesses dos cidadãos, recebem receitas e impostos mais do que suficientes para cumprir com a obrigação mais elementar de um município, a higiene e salubridade pública.

Apenas uma pergunta, porque não vão apanhar gambuzinos?