A SÃO CABRITA PERDIDA NO SEU LABIRINTO




Não temos da autarca de VRSA a opinião de se tratar de uma pessoa menos honesta, menos dedicada ou mesmo estruturalmente incompetente, diferenças políticas à parte , reconhecemos que o concelho nada perdeu com a mudança, ainda que seja óbvio que nas últimas autárquicas a sua candidatura foi vencedora porque a alternativa era à partida uma escolha perdedora, não foi ela que ganhou, foram os seus adversários políticos que perderam.

Mas todos sabemos que a São Cabrita detém o cargo à consignação, terminado o mandato ou mesmo antes é possível que o seu antecessor o queira recuperar, fazendo dela uma Medvedev com trajes femininos do corridinho algarvio. A autarca não tem peso político, não lidera o seu partido e dificilmente conseguirá ser reconduzida.

Com uma autarquia falida, condicionada por contratos desastrosos como o da recolha de lixo, cercada de incondicionais do antecessor, com um vice-presidente que ao fim de quase um ano não se chegou à frente para a apoiar, com vereadores fraquinhos, resta à presidente da autarquia recorrer ao Tiago para-a lhe preparar as entrevistas, fazer vídeos sobre a movida noturna da cidade ou sobre o bom tempo que só pode ser obra sua.

Mas se não é incompetente, também é verdade que não está à altura dos desafios, não conseguiu dar o salto de número dois quase apagada para líder. Rodeada de apparatchiks do seu antecessor, muitos deles mais disponíveis para-a obedecer ao que lhe deu emprego do que à presidente, e sem grande sorte com o apoio familiar na autarquia, a autarca pouco mais pode fazer do que sujeitar-se a uma agenda marcada pelos desastres provocados pela-a herança de que ela própria aceitou ser co-responsável e agora herdeira.

A isto acresce-se alguma faltas de dimensão política, algo visível pela forma-a como se tentou aproveitar da questão da EN125, que procurou instrumentalizar lançando o município contra o Estado. Ou, mais recentemente, pela forma como festejou imagens de sacos de lixo em Bruxelas, ignorando que uma hora depois de tiradas as imagens o lixo estava recolhido.

Começa a ser óbvio que a São Cabrita não vai lá e ainda faltam mais de três anos para que Vila Real de Santo António retome a liberdade, tirando a São Cabrita do labirinto em que se meteu.  A cidade perde uma presidente que não está a dar conta do recado, as escolas recuperam uma professora. Seria bom para a cidade se a oposição pudesse ajudar a autarca a acabar o mandato com dignidade, mas pro aquilo a que se tem assistido isso não vai ser tarefa fácil