PAGÁMOS UM INFANTÁRIO NO MUNICÍPIO ONDE VIVIA FIDEL CASTRO

Imagem relacionada

Já aqui se escreveu sobre um famoso subsídio para a construção de um infantário na Cidade de La Playa, na região de Havana. Na ocasião referimos que oi subsídio tinha sido de 50.000 €. Mas por mero acaso encontrámos uma notícia no jornal “Barlavento, publicada em 23 de Abril de 2007, relativa à deliberação da Câmara do dia 17 de abril do mesmo ano, onde se dava conta da posição do PS.

Recorde-se que La Playa é o município cubano onde se localizava a residência familiar de Fidel Castro e cuja geminação com VRSA ocorreu pela mão de um executivo camarário do PS. Está longe de ser dos municípios cubanos mais carentes de ajuda, nele ficam as embaixadas, uma importante base aérea, e grandes hotéi.

Antes de mais importa referir que 15.000 é muito dinheiro, e não uns meros trocos apenas porque os comparamos com muitos milhões. É muito dinheiro em termos absolutos e muito mais se considerarmos que estamos falando de há mais de 12 anos. É igualmente muito dinheiro no plano das ajudas internacionais, mesmo quando falamos de ajudas estatais ou mesmo da União Europeia. 

Neste caso foi um dos mais pequenos municípios de Portugal e provavelmente da Europa a fazer tal demonstração de generosidade. Mas note-se que não foi uma doação de bens ou mesmo o pagamento de uma obra supervisionada ou acompanhada pelo nosso Município, foi um “tomem lá 150.000€”. O dinheiro nem foi transferido para o município da Cidade de La Playa, tratou-se de uma transferência financeira direta para uma conta do Governo cubano, através do Ministério do Investimento Externo daquele país, como denunciou então o PS.

Se há quem defenda que isto não passa de uma mão cheia de ervilhanas que faça contas e questione quanto gastaria Portugal em ajudas externas deste tipo se por cada 20.000 habitantes fossem oferecidos 15.000€. É só fazer contas, se todos os responsáveis municipais fossem tão generosos para ajudar como foram os vereadores do PSD e da CDU Portuga teriam oferecido 1.575. milhões de euros, metade do custo de construção dos modernos porta-aviões americanos!


Cabaret Tropicana, em La Playa

Além de ser muito dinheiro sabe-se que na época não abundavam infantários e a mesma autarquia que gastou dinheiro dessa forma recusa-se agora a investir um tostão na modernização das salas do ensino básico. Sabe-se também que o dinheiro que ao longo dos anos foi esbanjando pelo Município, incluindo estes 150.00 e muitos outros 150.000 enviados para Cuba, tal como todos os 15.000 mal gastos, fazem agora muita falta e em vez de os termos ainda estamos pagando uma brutalidade de juros pela dívida.

Mas regressando à notícia ficamos a saber que os vereadores do PS votaram contra e que a CDU votou a favor. Não discutimos a posição da CDU porque foi coerente com os seus valores e a sua defesa de Cuba, até porque com o fim da ex-URSS aquele país das Caraíbas passou a enfrentar grandes dificuldades na obtenção de divisas estrangeiras e 150.000€ foram uma preciosa ajuda.

O PS de então emitiu um comunicado duro, protestando contra irregularidades no processos e realçando as carências do município em infraestruturas do tipo da que ia ser financiada em Cuba. Mas, curiosamente, um dos vereadores do PS, o então vereador Álvaro Araújo que, curiosamente, ingressou no IEFP nesse mesmo ano. Relata o jornal que:

“Em declarações à Lusa, o vereador socialista Álvaro Araújo desvalorizou algumas das críticas feitas pelo conjunto dos deputados municipais do PS, mas reafirmou a sua oposição ao protocolo.

“Não somos contra a atribuição de subsídios a países carenciados, mas as contrapartidas dessa atribuição é que deveriam estar explicitadas no protocolo”, observou Álvaro Araújo.”

Isto é, o PS põe em causa todo o procedimento, sugere que podem haver ilegalidades, põe em causa a transferência de tanto dinheiro. Mas o vereador Álvaro Araújo desvalorizou as críticas dos deputados municipais do PS, apenas estava em causa um pormenor, o fato de as contrapartidas não estarem explicitadas no protocolo…

[a "fake new" tem 12 anos e  está aqui]